Lala Laiá convida: Yaniel Matos & Luis Cabrera

YANIEL MATOS (PIANO) E LUIS CABRERA (SAX) SÃO DE CUBA e trazem a autenticidade da ilha mais populosa do Caribe para o 4º episódio de Lala Laiá, dessa vez em homenagem ao gigante Adoniran Barbosa.

Nada mais justo que, para interpretar o maior narrador das mazelas dos (i)migrantes da São Paulo do ‘progréssio’ dos anos 40 e 50, chamássemos músicos que, décadas depois, escolheram a metrópole para chamar de sua.

Luis Eduardo de la Hoz Cabrera, natural de Camaguey, mudou-se pra cá em 1999. Yaniel Matos, de Santiago de Cuba, veio logo em seguida, em 2000. Hoje são referência absoluta por aqui. Seja na salsa, no jazz, no pop ou em qualquer outro estilo, ambos desenvolveram um jeito único de tocar, alimentando-se de um turbilhão de referências brasileiras e globais, sem deixar de preservar suas raízes.

Em 2008, no Auditório Ibirapuera, Yaniel apresenta os composições do seu album En Movimiento com Cuca Teixeira (bateria), Sizão Machado (baixo), Eduardo Espasander (percussão), Daniel D’alcântara (trompete) e Luis Cabrera (sax).

COMO QUASE TODO MENINO CUBANO, YANIEL MATOS teve seu primeiro contato com a música através de sua família. E claro, começou cedo. Aos 8 anos ingressou no Conservatório Estevan Sala, em Santiago de Cuba, para estudar cello e piano. Dez anos depois, mudou-se para Havana para estudar violoncelo e composição no Instituto Superior de Artes. Paralelo aos estudos começou a tocar com as grandes bandas de cuba: Issac Delgado, Orlando Valles Maraca, Angel Bonne, Paulito F. G y su Elite, entre outros, até vir morar no Brasil aos 24 anos.

Yaniel Matos com Jônatas Sansão (bateria) e Bruno Migotto (baixo acústico) em um belíssimo arranjo do grande clássico de Dorival Caymmi.

JÁ EM SÃO PAULO, COMEÇOU A LECIONAR na Escola Superior de Música Faculdade Cantareira onde é responsável pelo curso de piano popular. Em 2003, fundou o Mani Padme Trio com Ricardo Mosca e Du Moreira e gravou o álbum Um dia de chuva, lançado na Itália e no Brasil. Em 2008, criou o Cuba Jazz Plus com a participação de Dafnis Prieto e Yosvany Terry e lançou seu primeiro album solo, “En Movimiento”. Em 2009, veio o segundo do Mani Padme Trio, “Depois”.

Mani Padme Trio no Instrumental Sesc Brasil com a participação do saxofonista e flautista Teco Cardoso.

EM 2014, LANÇOU SEU MAIS NOVO TRABALHO: “LA MIRADA”. Nele, Yaniel encontrou nas notas e nas palavras a proximidade das culturas cubana e brasileira. Em 2015 fez shows no Uruguai, Inglaterra e Austin (Texas), e terminou o ano em concerto com a Orquestra Filarmônica Afro Brasileira, interpretando uma peça de sua autoria.

O álbum “La Mirada” foi indicado como melhor álbum de jazz com vocal para o prêmio americano de música independente, o IMW (Independent Music Awards) de 2015.

LUIS EDUARDO DE LA HOZ CABRERA GRADUOU-SE NO SAXOFONE na Escola Profissional de Musica José White, em Camaguey, Cuba. Após tocar por dois anos na banda do exército de Holguín, seguiu para Havana, fazendo parte de bandas que obtiveram grande êxito internacional: Afrocuba (banda do cantautor Silvio Rodrigues) e Issac Delgado, com quem participou de diversos festivais de música pelo mundo, incluindo Japão, Europa e toda América Latina, até vir parar no Brasil no fim dos anos 90.

A música ‘Soldado’ faixa do album do baterista Cuca Texeira, de mesmo nome. Com Yaniel Matos (piano), Luis Cabrera (sax alto), Sandro Haick (guitarra), Carlinhos Noronha (baixo), Eduardo Cubano (congas) e Cuca Teixeira (bateria).

NO BRASIL, TOCOU COM MUITA GENTE DE PESO da música popular brasileira como o contrabaixista Sizão Machado, Bocato, Milton Nascimento, Pedro Camargo Mariano, Wilson Simoninha, Elsa Soares, Elba Ramalho, Fernanda Porto, Flávio Venturini, Daniela Mercury, entre outros.

Com o cantor Diogo Poças no programa Jô Soares.

FOI TAMBÉM FUNDADOR DA BANDA PEPE CISNEROS & CUBANS ALL STARS, projeto de latin de jazz que mistura ritmos latinos e afro-cubanos a um repertório clássico de jazz, com o qual participou dos maiores e mais importantes festivais de jazz do pais.

Um flagra feito pelo baterista Cuca Teixeira de mais uma noite no Jazz nos Fundos com o Cuba 07 do pianista Pepe Cisneros.

BOM, AGORA VOCÊ JÁ CONHECE NOSSOS CONVIDADOS. E esses dois são encrenca.das grandes, confia em mim.  Então marque na agenda. Nosso próximo episódio vai ao ar na primeira quarta-feira de fevereiro, dia 03. E você não vai acreditar no arranjo meio salsa meio chá-chá-chá que fizemos pra imortalizar a distraída Iracema do Adoniran. Nos vemos por aqui?